As Hist. Daniel. "Bombeiros de Elite" cap. 6.

Este é um novo capitulo de  As Historias de Daniel B.   "Bombeiros de Elite" cap. 6.
leia os capitulos anteriores para conhecer a saga.
espero que goste e deixe um comentario.




CAPITULO VI
Quando Daniel chegou ao seu aposento seu pai já estava lá.
¾     Tudo em ordem, papai?
¾     Sim, ele ira ao quartel primeiro e em seguida me ligará para que o pegue em algum lugar especifico.
¾     Ótimo.
¾     E o povo?
¾     Logo devem chegar. Entre em contato com eles. Amanhã vocês começarão um treino mais especifico. Consiste em domínio de toda a tecnologia, construção, concerto, programação, administração, liderança.  Tem muita coisa para aprender. Preciso de uma equipe que lidere a humanidade para o futuro. Um futuro grandioso. E essa equipe são vocês. Os lideres do progresso justo e humanitário.
¾     É uma tarefa grandiosa.
¾     O senhor não estava presente, então vou explicar o que pedi ao Gigante.
¾     Pode falar.
¾     Pedi que crie uma Base de 100 km de diâmetro. Estaremos preparando esta Base sem pressa, para que nela habite e viva confortavelmente, uma gama de pessoas que desejem morar no espaço. Terá de tudo. Laboratórios. Fabricas. Lazer. Mas também terá armamento de defesa pesado. Ela será uma segunda Terra onde a nossa gente terá sempre um apoio.
¾     É um empreendimento notável. Mas não esta esquecendo de nada?
¾     O que?
¾     Será que as pessoas estão preparadas para isto? Será que desejarão morar numa Base Espacial?
¾     Papai. Com toda a certeza do mundo. Quando esta Base estiver pronta, vai chover de pessoas querendo ir morar nela. A Elite da Humanidade poderá desenvolver in loco todo seu potencial. Lá terá de tudo do bom e do melhor. Até eu quero morar lá.
¾     Até você?
¾     Sim. E se a Mi quiser casar-se comigo ali construiremos a nossa família.                 
¾     Ela já sabe disto?
¾     Nem suspeita.
¾     Fale com ela.
¾     Ainda é cedo. Ela precisa entender mais um pouco sobre o tudo que estamos nos envolvendo neste momento.
¾     Entendo. Filho, conte comigo. Parece que os papéis se inverterão. Até aqui eu te trouxe, agora é você que nos guiará.
¾     Obrigado, papai. Mas sem o que a mamãe e o senhor me ensinaram da vida, amor, respeito, dignidade, honra, honestidade. Nada disto teria sentido. Vocês é que são os grandes heróis desta empreitada.
¾     Só fizemos o nosso dever de pais.
¾     Só mais uma coisa. Agora mesmo, se eu convidar, haveria um enxame de pessoas querendo ir morar nas Bases. Nas daqui da Terra, na Base Lunar, nas planetárias, nas Estações Espaciais e nas Estações Siderais.
¾     E por que não faz isto?
¾     Porque preciso de lideres de confiança primeiro. Bem treinados. Que amem e respeitem a humanidade. Os princípios que o Gigante exigiu precisam ser seguidos por nós. Honra, dignidade, respeito... sem isto não chegaremos a lugar algum.
¾     Para nascer isto, ou melhor, despertar este sentimento adormecido no coração do homem, eles precisam que você se mostre e lhes indique o caminho.
¾     Farei isto. Mas primeiro vamos selecionar as pessoas que estarão ao nosso lado. Veja Dionizio, é um robô. Mas posso confiar nele. A única forma dele me trair é se alguém conseguisse acesso a programação dele e a modificasse. Mas nesse caso, não seria ele que me traiu, seria o programador. É pessoas como Dionizio que quero comigo, que falem a mesma língua.
¾     Que almejem o bem da raça humana.
¾     Sim. Dionizio me diga uma coisa.
¾     Sim?
¾     Existe uma forma de broquear sua programação para que somente eu possa modifica-la?
¾     Sim, e não ao mesmo tempo. Se eu estiver em atividade. Posso me proteger. Estou armado com um laser de alta potencia. Mas no caso de uma pane. Ou um acidente em que eu esteja desativado, somente os meus sistemas de defesa embutidos na programação básica de meus chips é que me protegem. Caso algum deles for violentado, eu me auto destruo automaticamente. Não há outra solução.
¾     Já é o suficiente. Mas continue tentando aperfeiçoar o mecanismo de defesa. Quero você ao meu lado sempre.
¾     Papai, através do capitão Edwardo. Conseguirei outros nomes para nossa equipe, pode acreditar.
¾     Acredito.
A noite passa. Os nossos amigos que estavam fazendo treino de voo nos caças da Estação Espacial voltaram, estavam eufóricos e cheios de coisas para contar. Das peripécias que aprontaram no espaço fora do Sistema Solar. Até mesmo dona Sandra. Participara do treino e se divertira muito. Sempre sob a observação e controle do coordenador da Base Sideral Master, a Estação Espacial S1M.
¾     Incrível. Não da para descrever. As velocidades são astronômicas. A sensação é surreal.
¾     Faria os pilotos de caça daqui da Terra morrer de inveja.
¾     E a senhora, mamãe. Divertiu-se muito?
¾     Sim, eu gostei sim. Nunca em minha vida algo assim passaria por minha cabeça.
¾     Isto prova que qualquer pessoa bem treinada pode mudar seu modo de pensar de um momento para o outro. E fazer parte do futuro da raça humana. Ter uma mente universal  não é assim tão difícil.
¾     Não mesmo. Basta encontrar por acaso numa caverna nas montanhas uma tecnologia alienígena e se envolver com ela. Todo dia isto acontece lá fora...
¾     Não deboche, Deca. Não é isto que disse. Falei que a partir de agora com o que já temos poderemos abrir a porta do desenvolvimento a toda a raça humana, sem elitismo.
¾     Você acha mesmo?
¾     Sim, Mi. E você não?
¾     Sem elitismo. É difícil. A partir do momento em que nós mesmos temos de escolher a equipe de lideres desta nova geração. Já estamos aplicando o elitismo. Quem disse que somos a prova de erros?
¾     Não é isso, Mi. Temos o Gigante para nos ajudar nisto. Ele vasculhará o interior de cada líder em potencial, se não for adequado nos avisará.
¾     Isto não é invasão de privacidade?
¾     Não papai. Eles terão de dar autorização. Mas quem não tem nada a esconder não tem nada a temer. Quem se recusar ficará de fora da equipe.
¾     E como bancaremos esse projeto. Como sustentar famílias inteiras que estarão conosco?
¾     Papai já esta vendo isto, Deca. Nossa empresa vai crescer com a ajuda do Gigante.
Gigante, para quem não se recorda, é o nome que Daniel deu ao cérebro eletrônico da Base da Montanha. Antes ele era chamado de Mestre pelos robôs da Base. Também renomeou o seu robô técnico que o acompanha para toda parte, agora se chama Dionizio. Dionizio também recebeu uma configuração exterior nova. Antes era um robô convencional que flutuava. Agora ele recebera aparência humana e pele artificial.
¾     Bem gente, já é de madrugada. Temos de descansar, amanhã é outro dia.
¾     Certo, mamãe. Amanhã vou a Base Lunar aguardar a visita do capitão Edwardo. Quem quer ir comigo, além do Dionizio é claro?
¾     Eu acompanharei o capitão.
¾     Certo papai. Quem mais?
¾     Eu preciso ir em casa, Dani. Quero ver mamãe. Dona Sandra, não quer ir comigo?
¾     Não posso, Mi. Eu começarei o treinamento imediatamente. Mas vá tranquila. Pegue a chave de minha casa. E vá de tele transporte.
¾     É melhor não. Vou sair de planador, paro em algum lugar e chamo um taxi. Assim evito aborrecimentos.
¾     Esta certo então. Para no bosque, já esta registrado na memoria do planador.
¾     Eu vou, Dany.
¾     Sabe, Deca. Eu acho melhor você começar logo junto com mamãe o treinamento. É uma serie diferente e mais demorada. Ela é bem complexa.
¾     Estou de acordo, e depois o resto da equipe faz também. Olha Daniel, a partir de agora quero me tornar mais útil, vou me dedicar mais e estarei totalmente a disposição do projeto. Conte 100% comigo.
¾     Faço minhas, Dany, as palavras do Deca.
¾     Obrigado pessoal preciso mesmo contar com vocês.
E assim tudo acordado. Todos vão dormir. Amanhã promete ser um longo dia.





CAPITULO VII

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog